Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

http://jazzistica.blogs.sapo.pt

Blog de poesia , música e olhares de Marina Malheiro, aprendiz de poesia

http://jazzistica.blogs.sapo.pt

Blog de poesia , música e olhares de Marina Malheiro, aprendiz de poesia

Um fado

28.03.10 | marina malheiro

Carlos Paredes, Verdes Anos

 

Um Fado

 

Abre-se agora o caminho

Desço no elevador da Bica até à Boavista

Sinto o cheiro a maresia

A luz perpassa os corpos

Encolhidos no espaço

Rectangular de madeira antiga

Sou Lisboa!

 

Começa o Fado

A letra está desenhada na palma da mão

Na minha

Na tua

Na dos outros

Canto-a à minha maneira

Sentida e dura

Quebrada pela melodia

Que ecoa pura, singela

Mas obscura.

 

Ao Largo do Conde Barão

Lá está a árvore onde repousam

Os meus pensamentos,

A minha mão pura e escura

E o som do trinar da guitarra

De um anjo fadista.

Subo à Rua dos Mastros

Onde outrora marinheiros e varinas

Gingavam ao som do mar

Rasgando as  suas melodias

De búzios, conchas e poesia.

 

No empedrado da rua que ali está encoberta

Pelas gaiolas pombalinas

Avança o carro

E o caminho abre-se lento e luminoso

Aguarda-me enfim a Igreja do Convento de Jesus;

Branca, imponente, severa!

 

Ao longe a Assembleia dos Homens Ilustres

Desenha-se por entre os telhados vermelhos

Os sinos tocam a rebate

Anuncia-se a Hora!

Sigo à Estrela

E por entre as árvores, as fontes, a melodia

Encontro a tua palma pequena, suave e luminosa

Trazes as palavras nas mãos

Os sonhos em fiadas

Os trabalhos em desgarradas

E a guitarra trina

Trina, trina

 

Desço ao Rato

As mãos fecham-se aos trabalhos

Abrem-se numa súplica miserável

E tu, pequeno

Pedes a Lisboa

Um agasalho de esperança

E um punhado de coragem

 

 Segues o teu fado por entre as ruas e vielas

A Severa chama-te ao Bairro Alto

E a rua de Rosa no nome

Traz-te os cheiros

Da mourama

Do oculto

Do incerto!

 

Um dia as tuas pequenas palmas

Tocarão com força nas minhas

E sentado à soleira da porta velha e gasta

Procurarás a melodia que hoje escrevo

Sobre o Fado de Lisboa

Entre as cordas da guitarra

Soltarás a tua música

E rima

E com ela encontrarás

O teu caminho claro e perfeito

Por entre as nuvens da imaginação!

MC130609

 

 

 

Comentar:

Mais

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.