Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

http://jazzistica.blogs.sapo.pt

Blog de poesia , música e olhares de Marina Malheiro, aprendiz de poesia

http://jazzistica.blogs.sapo.pt

Blog de poesia , música e olhares de Marina Malheiro, aprendiz de poesia

I am missing you ( feat. R. Shankar)

28.02.22 | marina malheiro

20220227_181443.jpgfoto minha, Lisboa ontem , serena e,  ao mesmo tempo, cheia de gente, turistas e manifestantes.

No meio de tanta gente senti falta dos que foram e serão sempre importantes na minha vida, os meus pais, que sabiam em que loja da Baixa comprar a melhor camisa ou o melhor fato, os sapatos de salto alto cheios de estilo, onde beber e comer o melhor café ( no Café Gelo - está fechado), onde comprar o jornal ( a loja do diário de notícias é só tecidos agora), o livro ( a Bertrand do Rossio está fechada também ou em obras), um bilhete de lotaria na Casa da Sorte. Tudo isto e mais, com grande pormenor,  sabiam os meus pais, alfacinhas de gema.

 

Aos meus pais, com saudades imensas 

@mmalheiro

# Do vento

19.02.22 | marina malheiro

"Tudo  é  efémero/ ontem escutava a tua voz/ hoje só o vento". J.Tolentino de Mendonça

MM

Uma árvore frondosa - à minha mãe

14.02.22 | marina malheiro

A 1 de março de 2010 criei este blog como uma forma terapêutica de eu ler a vida que me rodeava , após os meus pais terem adoecido com 15 dias de diferença, ele com uma pneumonia atípica, ela com um cancro. 

Ao mesmo tempo que escrevia, comecei a correr seguindo a ideia budista de que a corrida ou a dança é uma forma de meditação ativa, inspirada em Murakami.

Foi assim que consegui gerir os sucessivos internamentos de ambos até ao final das suas vidas, ele até janeiro de 2018, ela até anteontem.

Foram ambos guerreiros, nunca desistindo e ensinando me a mim e aos meus irmãos o espírito de coesão, o espírito de família. 

A minha querida maratonista superou todas as provas , exceto aquela  da doença traiçoeira, muitas vezes tardiamente diagnosticada, muitas vezes com recidivas.

A maior pandemia de todas é, de facto, o Cancro, que não constitui orgulho nem gratidão para quem o tem, mas puro azar.

À minha querida mãe, Maria de Lourdes Malheiro, que perdeu a batalha mas que ganhou para sempre o nosso amor.

( In memoriam)

MMalheiro