Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

http://jazzistica.blogs.sapo.pt

Blog de poesia , música e olhares de Marina Malheiro, aprendiz de poesia

http://jazzistica.blogs.sapo.pt

Blog de poesia , música e olhares de Marina Malheiro, aprendiz de poesia

# Da esperança em Oxford ( feat. The Kinks)

11.04.20 | marina malheiro

be526762ece82e86f30a4a5530235f7a.jpg

Oxford.

Foto de blackconfetti.fr

hoje o meu filho mais velho perguntava-me se eu nunca tinha passado uma situação assim, dramática, como esta pandemia. respondi-lhe que não. nunca na minha vida tive de passar uma situação tão dramática,  tão violenta. dizem-me e leio que é comparável ao que sucedeu em termos económicos, sociais- humanos ( sem palavras) àquilo que sucedeu na II guerra mundial. em termos de  tragédia de saúde pública é comparável à gripe espanhola de 1918.

o que há de positivo nesta desgraça é a solidariedade entre diversos grupos sociais e profissionais. há também quem claramente se aproveite da escassez de equipamentos de proteção e os venda até em sites de compras de mercearias ! em clara especulação ou quem burle idosos com falsos testes de Covid19.

extraordinária a movimentação dos investigadores, quer na necessidade de perceber as várias mutações deste vírus, quer na procura incessante de uma vacina milagrosa que nos retire rapidamente deste pesadelo e nos devolva a nossa vida antiga.  

Sarah Gilbert, investigadora e professora na Universidade de Oxford está confiante de que a vacina que a sua equipa está a desenvolver estará pronta em setembro. Oxalá. Queremos todos correr pelas ruas fora, livremente e sem medo.

música. The Kinks ( all rights reserved)

The Times - Leading scientist ‘80 per cent’ sure drug will work, 11 de abril 2020 

@mmalheiro

 

 

# Da arrumação musical (feat. Zeca Afonso)

08.04.20 | marina malheiro

35c6356a05dd36bde91e309173acdb01.jpgFoto in Pinterest

quase um mês em casa. não há luz ao fundo do túnel. dizem "para ganhar maio é preciso abril" .

até achei isto bonito. abril para mim está sempre associado mais do que à Primavera , mais do que tudo , a Abril, aquele que foi difícil ganhar 48 anos depois.

aguardemos, então, em prol da saúde dos nossos, da nossa e depois da Economia. leio que na Áustria, República Checa e Dinamarca vão lentamente levantar as restrições. tiveram números mais baixos do que os nossos. se calhar não organizaram casamentos de 150 pessoas na rua, festas na rua, não foram às compras já infetados, como é o caso de algumas pessoas que foram detidas pela polícia esta semana. a maioria cumpre.

as notícias contradizem-se mas lendo  um artigo de Maria João Guimarães sobre o que pensam grandes especialistas aqui , tenho a noção de que ainda não é a Hora. 

aos humoristas que animam tantos inquietos, neste tempo de Quarentena, em particular ao #CorpoDormente#

ao ZT 

[da matinal canção ouvem-se já os clamores/ ouvem-se já os tambores/livra-te do medo (...)ergue-te ó sol de Verão/ somos nós os teus cantores/ da matinal canção/ouvem-se já os rumores] Zeca Afonso ( Coro da Primavera)- todos os direitos reservados a Zeca Afonso

@mmalheiro

# Um sábado à beira da Páscoa ( feat. Isaac Hayes)

05.04.20 | marina malheiro

sábado,  4 de abril , meio dia.

ao contrário da semana anterior, o parque de estacionamento do hipermercado onde vou está completo. a fila à porta para entrar triplicou.

há uma agitação no ar. apesar da distância de segurança, a maior parte das pessoas não usa nem máscara, nem luvas.

lá dentro agem como se fosse um dia normal de abril, frenéticos, não se distanciando uns dos outros, ávidos por comprarem o máximo de coisas. parece um filme surreal. 

os funcionários também não têm qualquer equipamento de proteção. estão ali certamente cerca de 250 pessoas. é esta a contaminação comunitária?

dirijo-me para uma caixa expresso que contrariamente ao que seria esperado está com pouca gente, implica tocar no écran com luvas, talvez seja este o motivo.

de regresso a casa, páro numa bomba da gasolina para abastecer . ao contrário do esperado, não há grades, entro à vontade mas a funcionária está atrás de três acrílicos, de luvas. passa-me a máquina do multibanco mas tem o cuidado de a limpar e de me dar um desinfectante para as mãos a seguir. o cuidado nesta bomba da gasolina supera o do hipermercado .

prestes a chegar a casa, vejo vários condutores de máscara. ninguém na rua.

dois mundos, o mesmo país, penso. twilight zone.

ou apenas a necessidade de liberdade qb, ( all rights reserved to Isaac Hayes, 1971)

@mmalheiro