Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

http://jazzistica.blogs.sapo.pt

Blog de poesia , música e olhares de Marina Malheiro, aprendiz de poesia

http://jazzistica.blogs.sapo.pt

Blog de poesia , música e olhares de Marina Malheiro, aprendiz de poesia

# um dia de sol magnífico lá fora ( feat. Susumu Yokota)

14.11.18 | marina malheiro

13 de novembro. um dia de sol magnífico lá fora. um dia de outono bom. lá dentro há trânsito, não se consegue estacionar- há cada vez mais carros, há cada vez mais gente, vinda de todo o país, há cada vez mais doentes. explicam-me que isso se deve ao aumento da esperança de vida no país.

um dia de sol magnífico lá fora. naquela sala de um hospital de dia estão 10 pessoas, homens e mulheres. dentro do grupo das mulheres há rapariguinhas. dormem e estão ali com extrema serenidade e dignidade. a cor da pele está amarelada nalguns, a falta de cabelo está tapada por lenços na cabeça. um senhor não consegue sossegar , as pernas agitam-se, ganham vida, para além do tratamento, levam-no para as urgências.

um dia de sol magnífico lá fora. os enfermeiros cumprem rigorosamente o seu papel e são de uma simpatia extrema. dão colo aos doentes, tantos que diariamente habitam aquela sala do hospital de dia. último tratamento, dizem-lhe. aproveite. oxalá. 

os médicos deste hospital têm de ter um arcaboiço tremendo, penso., mesmo que automatizem tudo, mesmo que pareçam estranhamente frios e simpáticos.

um dia de sol magnífico lá fora. a vida é muito injusta, penso e mesmo com o prémio Nobel dos investigadores que criaram um tratamento inovador, ainda caro, denominado Imunoterapia, há ainda muito a fazer; a Ciência ainda tem muito para explicar.

música- Susumu Yokota,Symbol, 2004 ( all rights reserved to Susumu Yokota)

[ à equipa de Hematologia do IPO de Lisboa, ao Hospital de dia 1 e 2]

[ à minha aluna K., a A., a Evelyn e José MD., in memoriam]

[ à minha mãe]

@mmalheiro

# Arrumar a vida ( feat. Marissa Nadler)

07.11.18 | marina malheiro

Ontem , em conversa de café, com colegas, soube que há um livro que ensina a arrumar a casa, a sentir cada objeto e a desapegar-se das coisas.

Eu e outra colega - somos de Letras- rimo-nos pois achamos excessiva racionalidade ao tema. Dobra-se a roupa, dá-se a roupa a quem precisa , arruma-se a casa e a cabeça :está feito. Fotos, livros, quadros, já é outro assunto...

ac10a60749e2b4146942b7e7b61d731e.jpg

Hiroshi Matsumoto ( all rights reserved) à venda no ETSY

escute esta versão magnífica da música de Leonard Cohen - Famous Blue Raincoat- por Marissa Nadler  e desarrume tudo o que puder. ( all riights reserved to Marissa Nadler)

@mmalheiro

 

 

# Do retorno ao teclado azerty

03.11.18 | marina malheiro

734d1200264e9d69b0c18f0f84a6dc9d.jpg

numa conferência intitulada "aprender entre as linhas na era digital",  na Gulbenkian , esta semana, o investigador Cristóbal Cobo falou sobre a era digital : os perigos, as vantagens, mas sobretudo, sobre um novo caminho que muitos traçam agora e com o qual concordo, que é o da simplicidade e do retorno ao analógico. 

regressar a um teclado azert sem ligações Internet, sem redes sociais, a um teclado silencioso, desprovido de GIGO ( Garbage in, Garbage out) ou seja, de lixo digital ,sem filtro, sem crítica, é a vontade de muitos que se cansaram de "feeds", de "posts"diários.

Sobre esta "revolta do analógico" referiu-se Cobo, ao livro de David Sax -"The revenge of analog" -só disponível na Amazon. Talvez seja por isso que veja agora à venda tantas Olivetti, Remington antigas.

Por outro lado, o digital possibilita, também, a par do vinil  ou do concerto ao vivo, escutar estas maravilhas, teclando em modo "QWERTY"e com objetos perenes , os livros ,que Marcelo Rebelo de Sousa classificou ,também na conferência na Gulbenkian, como grandes companheiros de vida.

[ anna calvi, "hunter", 2018, all rights reserved- via Spotify]

@mmalheiro