Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

http://jazzistica.blogs.sapo.pt

Blog de poesia , música e olhares de Marina Malheiro, aprendiz de poesia

http://jazzistica.blogs.sapo.pt

Blog de poesia , música e olhares de Marina Malheiro, aprendiz de poesia

# Do exercício da engenharia da resiliência em 2015 ( feat.Brigada Vítor Jara & Rui Nunes)

30.12.14 | marina malheiro

há semanas vi um mendigo embrulhado num saco do lixo no exterior de um Banco. estava frio, muito, junto ao Marquês de Pombal.

no deve e haver da contabilidade social deste país, em 2014, há um palavra que ,infelizmente, contará para a estatística, o empobrecimento. se há anos, poucos, havia portugueses que acumulavam trabalhos, neste momento, o balanço é negativo. muitos e jovens com imenso potencial, emigraram, outros acumulam dias de desemprego, trabalho e precariedade. marcadas , cada vez mais, as assimetrias sociais neste final de 2014.

como hoje dizia um piloto de aviões em relação a um fenómeno metereológico- uma ascensão ou espiral vertical é necessária para nos desviarmos do "tempo mau". 

esperemos que o programa Portugal 2020 e o Banco de Fomento- aprovado por estes dias- mude, de facto, a  vida de muitos e relance a Economia, nomeadamente setores que parecem estagnados, como é o caso da formação profissional. Votos para que se empreenda, para que haja boas ideias com aplicabilidade e retorno efetivo.

portanto, o que pilotos treinam neste momento, a chamada "engenharia da resiliência", é o que milhares de portugueses terão de fazer em 2015.

Bom 2015.!  Obrigada por seguir  o Jazzística. 

@marinamalheiro

 

               Brigada Vítor Jara, Vai-te embora ó papão, 1984 ( todos os direitos reservadíssimos à Brigada Vítor Jara)

                          " (...) façam com as palavras aquilo que quiserem , desfaçam-nas:

                uma palavra desfeita não magoa,

               uma palavra inteira rasga a boca, 

               uma palavra inteira é a certeza

de outra palavra inteira, a corda fina

que vai da trave à terra, do caibro ao vento

de uma janela aberta:

a imprecisa

minúcia da poeira." Rui Nunes in "Nocturno Europeu", Relógio D'Água, p. 13, Novembro 2014 ( todos os direitos reservadíssimos a Rui Nunes)