Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

http://jazzistica.blogs.sapo.pt

Blog de poesia , música e olhares de Marina Malheiro, aprendiz de poesia

http://jazzistica.blogs.sapo.pt

Blog de poesia , música e olhares de Marina Malheiro, aprendiz de poesia

#1097- Voando para a praia / Leonor na estrada preta ( feat. Gedeão & Gene Austin)

08.03.14 | marina malheiro

 

                                                                  Foto Joseph Leombruno.
                                                                  Algarve, 1969.

 

                                                                  em dia da Mulher e num Mundo onde ainda subsistem desigualdades e discriminações, atentando                                                                         contra os direitos humanos...

 

 "Voando vai para a praia 
Leonor na estrada preta. 
Vai na brasa, de lambreta. 

Leva calções de pirata, 
Vermelho de alizarina, 
modelando a coxa fina 
de impaciente nervura. 
Como guache lustroso, 
amarelo de indantreno, 
blusinha de terileno 
desfraldada na cintura. 

Fuge, fuge, Leonoreta. 
Vai na brasa, de lambreta. 

Agarrada ao companheiro 
na volúpia da escapada 
pincha no banco traseiro 
em cada volta da estrada. 
Grita de medo fingido, 
que o receio não é com ela, 
mas por amor e cautela 
abraça-o pela cintura. 
Vai ditosa, e bem segura. 

Como um rasgão na paisagem 
corta a lambreta afiada, 
engole as bermas da estrada 
e a rumorosa folhagem. 
Urrando, estremece a terra, 
bramir de rinoceronte, 
enfia pelo horizonte 
como um punhal que se enterra. 
Tudo foge à sua volta, 
o céu, as nuvens, as casas, 
e com os bramidos que solta 
lembra um demónio com asas. 

Na confusão dos já nem percebe, Leonor, 
se o que lhe chega aos ouvidos 
são ecos de amor perdidos 
se os rugidos do motor. 

Fuge, fuge, Leonoreta. 
Vai na brasa, de lambreta. "

António Gedeão, in 'Máquina de Fogo'

 

http://www.youtube.com/watch?v=1xpSeaxRpCc

 

"Aint She Sweet?" (Gene Austin, 1927)

 

                                                                              @marinamalheiro

 

#1096-Da escravatura do Tempo ( feat. Sara Tavares)

07.03.14 | marina malheiro

Li algures que o Tempo é uma convenção. Social? Física? Económica?

 

Cada vez mais somos escravizados pelo Tempo. Temos de ser gestores do tempo, gestores das nossas vidas, ao minuto, ao segundo. Não existe tempo para pausas. A Economia não o permite. Uma pausa representa menos produtividade, menos dinheiro em caixa, para muitos, para a maior parte. Não se pode ter esses luxos. E, portanto, vivemos cada vez mais escravizados a cortes, a contratos de trabalho precários, temporários. Aprendemos a arte de reinventar caminhos, percursos profissionais, percursos de vida mas mantendo sempre o nosso fio de prumo.;estrutura, base na nossa parede-mestra.

Difícil a arte da "limonada" com laranjas, escrevia alguém com humor.

Entretanto, há sempre aqueles que constroem as estruturas de escravização do tempo dos outros, talvez em folhas de excel, talvez em visões de "troika" ou de neoliberalismo desenfreado. Esses perderam talvez a sua parede-mestra há muito ou nunca tiveram de reinventar caminhos.

Resta-nos pensar, talvez, que tal como podemos congelar imagens ou dar vida a outras nos cinemagraphs, podemos guardar pontos de luz nessa parede-mestra. Afinal é isso que importa, para além da Economia.

 

Ponto de Luz, Sara Tavares, 2009, bisado neste Blog
aos meus pais.
ao meu avô, G.Malheiro
@marinamalheiro

#1095- Poesia em Oxford ( feat. B. Callahan)

05.03.14 | marina malheiro


Bill Callahan, Sycamore


em dias de quase Primavera mas não de Praga, de recomeços na endurance política e crise na Ucrânia.


em dias de poesia revisitada ( Poesia da 1ª Guerra Mundial) num arquivo digital único da Universidade de Oxford assinalando os 100 anos da 1ª Guerra Mundial.


"War broke: and now the Winter of the world With perishing great darkness closes in. The foul tornado, centred at Berlin, Is over all the width of Europe whirled, Rending the sails of progress. Rent or furled Are all Art's ensigns. Verse wails. Now begin Famines of thought and feeling. Love's wine's thin. The grain of human Autumn rots, down-hurled. (...)"


Wilfred Owen, 1914


@marinamalheiro


#1094- Da escuta ( feat. Bill Callahan)

04.03.14 | marina malheiro


Bill Callahan, Radio Sessions ( todos os direitos reservados a Bill Callahan)


a escuta, todos os dias, a todas as horas, em todos os momentos, dos outros, é talvez importante. marca relações, marca amizades, marca momentos, marca aprendizagens, crescimentos e maturações de alma. escutar primeiro o silêncio e depois a música no compasso certo ou incerto. compassos certos, por vezes, não têm piada. 

se calhar temos de aprender a escutar toda a vida e ter a humildade de dizermos " não entendi". a distorção da escuta, a falta de entendimento causa silêncios permanentes e gavetas desarrumadas. urge, então, aprender a escutar melhor quem nos rodeia.


escute o grande Bill Callahan no vídeo acima.



@marinamalheiro

#1093- Tonight will be fine ( feat The Walkmen)& F. Astaire and A. Hepburn

03.03.14 | marina malheiro

 

 

                                                 http://www.youtube.com/watch?v=qML0IcGgibQ Tonight will be fine, The Walkmen ( cover do original de L. Cohen)

 

 

                                                em dias de Carnaval , de instabilidade política na Ucrânia, de ex- ministro no FMI

 

                                               " é Carnaval , ninguém leva a mal" ...

 

                                                @marinamalheiro

#1091- 4 anos de Jazzística

01.03.14 | marina malheiro

 

      Hoje o Jazzística faz 4 anos

Obrigada por seguir

 

Obrigada por ler e escutar.

 

Deixo aqui a música  mais ouvida  neste Blog , todos os dias e em todos os pontos do Mundo.

 

Ana Moura, Desfado , BBC, Abril 2013 ( Todos os direitos reservados a Ana Moura)
(...) quer o destino que eu não creia no Destino (...)
ai se eu pudesse não cantar, ai se eu pudesse"
@marinamalheiro

 

 

 

 

Pág. 3/3