Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

http://jazzistica.blogs.sapo.pt

Blog de poesia , música e olhares de Marina Malheiro, aprendiz de poesia

http://jazzistica.blogs.sapo.pt

Blog de poesia , música e olhares de Marina Malheiro, aprendiz de poesia

# 924- A órbita da própria alma

05.09.13 | marina malheiro

 

 

 

Planetário Calouste Gulbenkian, Lisboa ( Agosto 2013) Foto mmalheiro

 

 

Wilde escreveu um dia : "Mas reconhecer que a alma de um homem é incognoscível é a maior proeza da sabedoria. O derradeiro mistério somos nós próprios. Depois de termos pesado o Sol e medido os passos da Lua e delineado minuciosamente os sete céus, estrela a estrela, restamos ainda nós próprios. Quem poderá calcular a órbita da sua própria alma? ". in www.citador.pt


Tanta órbita por calcular :) por aí...

 

http://www.youtube.com/watch?v=W8HusRcsR3g

 

Then Play on (1969), excelente álbum dos Fleetwood Mac para o cálculo infinitesimal

 

ao meu avô, G. Malheiro

 

@marinamalheiro

# 923- Da música im(perfeita) & Andrew Bird

02.09.13 | marina malheiro
Andrew Bird, Waltz, in The Ballad of the Red Shoes

Andrew Bird escreveu recentemente este artigo no NYTIMES intitulado "Puzzling through a love song."

De modo irónico, o compositor escreve sobre a escrita de canções, nomeadamente canções de amor.

Afirma "This new song speaks to that resistance, in a sense. It begins by testifying how I have the heart of a skeptic — in the key of A major — that I don’t believe that everything happens for a reason, or that there is one true love meant for each of us."
No entanto, questiona na própria canção "how and why did I find you then among the multitudes?".
Bird compôs músicas magníficas e algumas como afirma, inacabadas. Talvez as músicas, algumas, imperfeitas mas muito belas, de Bird, não sejam ouvidas a par por aqueles que se amam. No entanto, contrariando o post anterior que continha o artigo de Gabriel Leite Mota "Podemos amar alguém que não ouve a mesma canção", talvez haja dissonâncias melódicas entre as pessoas. Talvez os 4,33 de Cage ou o jazzy Previn ou os Time Impala ( excelentes) não sejam ouvidos a par, desde que haja, contudo, uma "the key of A major".
@marinamalheiro

Pág. 3/3