Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

http://jazzistica.blogs.sapo.pt

Blog de poesia , música e olhares de Marina Malheiro, aprendiz de poesia

http://jazzistica.blogs.sapo.pt

Blog de poesia , música e olhares de Marina Malheiro, aprendiz de poesia

#943-Do amor à Res publica

30.09.13 | marina malheiro
Amália, Quando se gosta de alguém
"A habilidade específica do político consiste em saber que paixões pode com maior facilidade despertar e como evitar, quando despertas, que sejam nocivas a ele próprio e aos seus aliados. "

Bertrand Russell

em dia de eleições autárquicas

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

@marinamalheiro

# 941 -Das palavras imperfeitas

27.09.13 | marina malheiro

 

a boca desenha às vezes palavras imperfeitas. saem pelo momento fora, muitas vezes sem retorno.

talvez os silêncios devessem ser praticados amiúde.

 

talvez num país de menos palavras imperfeitas , sem sentido, houvesse maior coerência democrática;

 

talvez num país de silêncios mas silêncios sem medo.

 

 os silêncios deviam ser praticados antes de se desenhar um país.

 

http://www.youtube.com/watch?v=EL1zA2yAstQ

 

Nick Drake (1972)

 

@marinamalheiro

# Chuva com cheiro de Verão - Nothing but flowers-

25.09.13 | marina malheiro

http://igetakickoutofyou.me/tag/technology/

 

 

http://www.youtube.com/watch?v=PEV-pPf3Fu4&list=RD02wWckMq89fu8

 

Nothing but the flowers, David Byrne

 

 

 

http://www.youtube.com/watch?v=v8OWpeF8jy0&list=RD02wWckMq89fu8

 

Asa Branca, Forro in the Dark, David Byrne

 

 

 

a dançar pelos dias com chuva boa 

 

 

@marinamalheiro

 

 

 

 

 

#939 - A noite chega com todos os seus rebanhos

25.09.13 | marina malheiro

 

Anéis de Saturno através da Cassini ( 15/06/2013) 

 

Todos os direitos reservados a NASA

 

 

"A noite chega com todos os seus rebanhos

(...)
Há um íman que nos atrai para o interior da montanha. 
(...). 


O último pássaro calou-se.As estrelas acenderam-se. 
(...)
Alguém me habita como uma árvore ou um planeta. 
Estou perto e estou longe no coração do mundo. "

de A Rosa Esquerda(1991) - poema "cortado" do original  do Mestre  Ramos Rosa



                                                                 The Long Run - Rodrigo Leão feat. Joan As Police Woman

 

aos que amam a vida


@marinamalheiro

#938- Não desisti de habitar a arca azul- ao Mestre Ramos Rosa

23.09.13 | marina malheiro

 

 

"Não desisti de habitar a arca azul
do antiquíssimo sossego do universo. 
A minha ascendência é o sol e uma montanha verde
e a lisa ondulação do mar unânime. 
Há novecentas mil nebulosas espirais 
mas só o teu corpo é um arbusto que sangra
e tem lábios eléctricos e perfuma as paredes.
Aos confins tranquilos entre ilhas mar e montes
vou buscar o veludo e o ouro da nostalgia.
Deponho a minha cabeça frágil sobre as mãos
de uma mulher de onde a chuva jorra pelos poros.
Ó nascente clara e mais ardente do que o sangue,
sorvo o cálice do teu sexo de orquídea incandescente!
A minha vida é uma lenta pulsação
sob o grande vinho da sombra, sob o sono do sol.
Há bois lentos e profundos no meu corpo
de um outono compacto e negro como um século.
Com simultâneas estrelas nas têmporas e nas mãos
a deusa da noite, sonâmbula, desliza.
Ao rumor da folhagem e da areia
escrevo o teu odor de sangue, a tua livre arquitectura.
Prisioneiro de longínquas raízes
ergo sobre a minha ferida uma torre vertical.
Vislumbro uma luz incompreensível
sobre os campos áridos das semanas.
Elevo o canto profundo do meu corpo
sob o arco das tuas pernas deslumbrantes.
Escrevo como se escrevesse com os meus pulmões
ou como se tocasse os teus joelhos planetários
ou adormecesse languidamente no teu sexo."


António Ramos Rosa, in Três (1975)


Ao magnífico poeta , Mestre Ramos Rosa, que hoje partiu quem sabe para a "arca azul".


Muito lhe temos a agradecer, pelas palavras que transcendem tudo e são reflexos sublimes do Belo.



http://www.youtube.com/watch?v=OC1QnMly9hM


Rodrigo Leão & Vox Ensemble ( 1939)


" a minha vida é uma lenta pulsação  


sob o grande vinho da sombra"


@marinamalheiro


# 936 -Cachinnate & Anna Calvi

20.09.13 | marina malheiro

 

 

Cinemagraph inhttp://romitmehta.com/2013/01/29/some-nokia-lumia-cinemagraph-samples/

 

 

 

Como há dias resolveram terminar com o Inglês no 1º ciclo, uma medida claramente de retrocesso pedagógico e social ( e já agora neurológico). já que a língua inglesa continua a ser a principal língua de comunicação entre os povos e continua a ser língua de transação comercial internacionalmente, e aprender línguas desde a infância desenvolve mais capacidades cognitivas ( ver  deixo aqui um artigo curioso do news.com.au  (via Linkedin)sobre 10 palavras inglesas que pensava não existirem :)

 

Uma dessas palavras é Cachinnate que significa "rir sem parar" :) ou LOL ( laugh out loud)

 

http://www.youtube.com/watch?v=qy5HgfS2rG4&list=RD02sXhCx5ASvtk

 

Anna Calvi. Moulinette (todos os direitos reservados a Anna Calvi)

 

às minhas professoras de inglês e francês 

 

@marinamalheiro

# 18- Rua dos Douradores

19.09.13 | marina malheiro

Às vezes são as palavras que vêm ter connosco. As palavras oportunas de outros como as de Bernardo Soares e que espelham a realidade de talvez 2 milhões (?) de portugueses que se encontram sem trabalho, com vidas precárias,adiadas, em virtude da crise económica.

 

"Encaro serenamente , sem mais nada que o que na alma represente um sorriso, o fechar-se-me sempre a vida nesta Rua dos Douradores, neste escritório, nesta atmosfera desta gente. Ter o que me dê para comer e beber, e onde habite, e o pouco espaço livre no tempo para sonhar, escrever- dormir- que mais posso eu pedir aos Deuses ou esperar do Destino."

                                                                               

                                                                                  18 in O Livro do Desassossego de Bernardo Soares


O magnifico Rodrigo Leão ao vivo
Histórias / todos os direitos reservados a Rodrigo Leão

                                                                      a Fernando Pessoa com tantos reflexos magníficos do mesmo "eu"



                                                                                             @marinamalheiro


                                                                                       

Pág. 1/3