Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

http://jazzistica.blogs.sapo.pt

Blog de poesia , música e olhares de Marina Malheiro, aprendiz de poesia

http://jazzistica.blogs.sapo.pt

Blog de poesia , música e olhares de Marina Malheiro, aprendiz de poesia

#795 - Mack the Knife

11.11.12 | marina malheiro
Ella Fitzgerald ( versão fantástica do original K.Weill/Brecht)
"Privatizado"

"Privatizaram sua vida, seu trabalho, sua hora de amar e seu direito de pensar.
É da empresa privada o seu passo em frente,
o seu pão e  o seu salário.
E agora não contente querem privatizar o conhecimento, a sabedoria, o pensamento, que só à humanidade pertence."


Sábias as palavras de Brecht, em véspera de Merkel...

@marinamalheiro

# Da crise

08.11.12 | marina malheiro

http://www.youtube.com/watch?v=3dC4bHlNCr4&feature=related

 

The National , Runaway

 

Dedico a todos os milhares de professores portugueses que continuam a aguardar um posto de trabalho, uma escola onde trabalhar.

 

"A esperança não é nem realidade nem quimera. É como os caminhos da terra: na terra não havia caminhos; foram feitos pelo grande número de passantes."


Hsun 

# 793

07.11.12 | marina malheiro

 

                                                         mesmo que pequena  seja, tirar-te a dor do peito, ainda terno, é este o querer.

 

                                                       http://www.youtube.com/watch?v=5JdVrgJ5r2o&feature=related

 

                                                      Shannon Van Etten, Love More, 2011

                                                                         

                                                                 @marinamalheiro

 

#792- Da delicadeza

05.11.12 | marina malheiro




Sigur Rós, Varuó , in Valtari , 2012 ( Todos os direitos reservados aos Sigur Rós/ All rights reserved to Sigur Rós)


Em Nova Iorque desenha-se o poema em ti, talvez se chame esperança depois da tempestade,  depois dos furacões que rasgam casas ao meio,  que amachucam vidas, que deixam na escuridão e ao frio milhares.


Talvez haja muitas" Nova Iorque" pela Europa fora, pelas cidades, pelas vilas, pelas aldeias de um país a quem um dia chamaram Portugal.


E há muitos a viver tempestades diárias, outros desistem da nortada e partem para não voltar, outros são fio de prumo da construção, na resiliência máxima. Até quando, Portugal?


@marinamalheiro

Pág. 2/2