http://jazzistica.blogs.sapo.pt
Blog de poesia , música e olhares de Marina Malheiro, aprendiz de poesia
16 de Novembro de 2016

                        há interpretações que não necessitam de palavras.

                        ( all rights reserved to John Cale and Lou Doillon)- Abril 2016, Paris

                        @mmalheiro

 

publicado por marina malheiro às 16:48 link do post
13 de Novembro de 2016

e790a83e178021226b1d95a6ba9c501a.jpg

Fotografia de Hulton Archive in Getty Images,1944

dias após a eleição de D.Trump e do analisar de uma América "vazia de valores e cansada do sistema" ( dizem os analistas políticos), da preparação da União Europeia para enfrentar Trump, da morte de Leonard Cohen, músico e poeta americano judeu e de esquerda,

sinto calafrios ao ler a palavra "deportação" utilizada pelo novo Presidente dos Estados Unidos- ele próprio neto de um imigrante alemão cuja cidade não lhe quer estar associada de modo nenhum- numa entrevista ao programa "60 minutes". Deportação imediata de 3 milhões de imigrantes.

Lembro-me, então, de ver no Museu dos Judeus em Amesterdam inúmeros objetos pertencentes a vários holandeses e portugueses judeus que morreram nos campos de concentração. Essa visão causou-me também arrepios na alma.

 No meio dos despojos de guerra de inocentes estava lá a mala de Leonard Cohen, representação material de algo muito superior ( a liberdade e a esperança), cuja voz emudeceu para sempre.

"And now?"

aos franceses

( all rights reserved to Sting/ 12 nov. 2016, Bataclan, Paris)

 

 

 

publicado por marina malheiro às 19:09 link do post
31 de Março de 2016

7df5054d92d5b8c0163b0fd73b5627b4.gif                                       escute esta maravilha. Jeff Buckley em 1995 no Olympia. Magnífico. ( all rights reserved to Jeff Buckley)

                                       @mmalheiro

 

publicado por marina malheiro às 13:47 link do post
18 de Novembro de 2015

Atualmente escreve-se muito "de cátedra", num incrível terrorismo de palavras, quer nos Media, quer nas Redes Sociais.

Tornam-se entendiantes os "terroristas da cátedra e das palavras". Precisarão de muita Filosofia, da pura e de vida, para escreverem com "conhecimento de causa", assente em dados, no terreno e no conhecimento.

Uns não precisam de estudar nas Universidades, estudam toda a vida e têm uma sabedoria única como era o caso de  José Saramago.

"Tanto barulho para nada" e o mais importante é isto- sobre Paris e as crianças. (all rights reserved to the NYTIMES). Também em Portugal os professores estão a explicar às crianças o que aconteceu em Paris.

 

Escute aqui os magníficos músicos Ravi Shankar e George Harrison . 

[CARPE DIEM]

Liberté, toujours.

@mmalheiro

 

 

 

 

publicado por marina malheiro às 16:24 link do post
15 de Novembro de 2015

06aa7fe03b4b966ac42f401ad9180da3.jpg

                                               via Pinterest.

                                            Et maintenant? ( tous les droits reservés à Gilbert Bécaud)

                                             

                                            aos franceses, e a todos os que, por estes dias, por todo o mundo, foram                                                                  ,infelizmente,  vítimas da violência cega que se denomina terrorismo.

                                             Pela paz. 

                                              @mmalheiro

                                            

publicado por marina malheiro às 20:51 link do post
12 de Julho de 2015

6cedcfe9b74c2a5d7bceddd633fd4bba.jpg

Robert Doisneau (Francia) La ventana, Paris 1949

uma janela aberta ,  sibilante o vento, 

parecia que não crescias nos meus braços no tempo morno, em paz. 

@marinamalheiro

 

publicado por marina malheiro às 16:07 link do post
25 de Agosto de 2014

No dia em que se celebram os 70 anos da Libertação de Paris  ficam as palavras "Et maintenant, nous sommes libérés"  [Beevor, Antony, Paris após a Libertação, Bertrand Editora, 2011]. Valerá muito a pena ver os filmes daquele dia  do arquivo British Pathé.  Vive la France!

 

Gilbert Bécaud, Et maintenant, 1962
@marinamalheiro
publicado por marina malheiro às 19:11 link do post
24 de Agosto de 2014

 

                                                                                   Hemingway em Paris , via Pintarest ( Michelle Klein)

 

                                                                                   " (...) Hemingway e Bruce olharam para o grupo que os seguia, fizeram uma contagem por alto e responderam que desejavam cinquenta martinis. (...) No entanto, nem toda a gente andava pelas ruas a saborear uma nova era de liberdade. Através de uma janela aberta, o padre Boegner viu uma vizinha, uma senhora de idade, sentada à mesa a fazer uma paciência, exatamente o mesmo que fazia todos os serões". Beevor, Antony, Paris após a libertação, 2ª edição, Bertrand Editora, 2011, pp. 68-69 ( no dia da libertação de Paris, 25 de Agosto de 1944)

https://www.youtube.com/watch?v=zRQZrTFZsAc&index=10&list=PL66DED9387D10701E

 

Rui Veloso, A gente não lê, in Fora de Moda ( todos os direitos reservados a Rui Veloso)

 

@marinamalheiro

                                                                               

publicado por marina malheiro às 00:15 link do post
14 de Julho de 2013

 

  

"  (...) Nós precisamos de mais mistério autêntico nas nossas vidas., Hem- disse-me ele uma vez.- Aquilo que, nesta época, mais falta nos faz, a maior parte das vezes, é um escritor completamente destituído de ambição e um poema realmente bom por publicar. "


                             Hemingway, in Paris é uma festa, Livros do Brasil

 

http://www.youtube.com/watch?v=27J3i4xGDA0

 

 

Et pourtant, Charles Aznavour, 1963

 

@marinamalheiro

publicado por marina malheiro às 21:09 link do post
13 de Julho de 2013

Rokia Traoré - Ka Moun Ké, ( Paris/abril 2013)


(...) Dizem que as sementes daquilo que havemos de realizar se encontram todas já dentro de nós, mas sempre me pareceu que, naqueles que troçam da vida, as sementes se encontram cobertas de melhor terra e de uma percentagem mais alta de adubo".


Paris é uma festa, E. Hemingway, Livros do Brasil, Tradução Virgínia Motta


@marinamalheiro




publicado por marina malheiro às 00:28 link do post
Novembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
subscrever feeds
Mensagens
Tracker
sitemeter
Sitemeter
Wook
Wook
Pensa num Número - www.wook.pt
Facebook
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
Ainda estou em choque com tamanha tragédia!Os rela...
Melhor que a música, a companhia...
Obrigada pelo teu comentário. Para quem gosta de c...
Pois... não é por snobismo que moro onde moro,é me...
Caro ZT,obrigada pela referência. :)Saudações jazz...
Lembra Black Moth Super Rainbow.Inebriante.
Feel free to blush
Ai que ruborizo :)
Adorei caro Fio de Beque. Obrigada pela partilha. ...
Era esta :D https://youtu.be/XviMAXKvewM
blogs SAPO