http://jazzistica.blogs.sapo.pt
Blog de poesia , música e olhares de Marina Malheiro, aprendiz de poesia
15 de Novembro de 2016

a6216870ca6d9cab967538fe4cff8f0d.jpg

 

                                  Foto Vivian Maier, Invisible Woman

                                  [ em dias em que o sol nos abraça, quente e outonal, encontramos por mero acaso personagens vivas de um qualquer romance. não mastigam as palavras, verbalizam os sentires.

jovens de um lado, extravasando opiniões e vontades amorosas, amigos de meia-idade do outro, demonstrando cruamente os interstícios ocultos das relações.

são paradoxalmente como o texto que lemos de um escritor português, vagabundos de sentires, completamente despojados de preconceitos, de dissimulações exageradas e pré-formatações modernas como as que se encontram amiúde em qualquer transversal de vida.

poderiam ser amigos de Thoreau ou de Cesário,

deambulando felizes pela vida, despreocupadamente.

é isso que importa.]

escute aqui o magnífico John Cale em 2016, interpretando um tema dos Velvet Underground.

                                   à Sara Gomes, com amizade.

                                   a ti, ZT.

                                   @marinamalheiro

publicado por marina malheiro às 22:26 link do post
24 de Julho de 2016

3a47b3457e459e3adb84a1909527eb8d.jpg

 

                                                     John Singer Sargent, Capri, 1878

                                        [ escreveu  Sophia de Mello Breyner , em 1944, o poema "Casa Branca"]

 

"Casa branca em frente ao mar enorme,
Com o teu jardim de areia e flores marinhas
E o teu silêncio intacto em que dorme
O milagre das coisas que eram minhas.
... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ...


A ti eu voltarei após o incerto
Calor de tantos gestos recebidos
Passados os tumultos e o deserto
Beijados os fantasmas, percorridos
Os murmúrios da terra indefinida.

Em ti renascerei num mundo meu
E a redenção virá nas tuas linhas
Onde nenhuma coisa se perdeu
Do milagre das coisas que eram minhas."

in Poesia, 1944

via Biblioteca Nacional de Portugal

[ as casas têm, de facto, alma. ]- all rights reserved to The Pretenders.

a E D.., J.D. e Sara Harries

 @mmalheiro

publicado por marina malheiro às 15:12 link do post
14 de Abril de 2016

56891ffab22ce6dd1a243a4a95d048c0.jpg

                                          [ mudar de rumo/ mudar de rumo- a formiga no carreiro./ eu vim de longe e vou para longe. (todos os direitos reservadíssimos ao grande José Mário Branco

                                                                      aos amigos.

                                                           [ a A.Carreiras  ,ML Malheiro e M. com amor.]

                                                       @mmalheiro

                                                                     

publicado por marina malheiro às 22:01 link do post
05 de Dezembro de 2015

                                                                 Há sempre alguém

                                                                 que espera

                                                                 um abraço

                                                                 um beijo

                                                                 uma ternura

                                                            fora do tempo,

                                                            fora do compasso,

                                                            sem música,

                                                            em superavit.

                                                              Há sempre alguém 

                                                            que espera

                                                            uma palavra

                                                            uma esperança

                                                            um afago no cabelo,

                                                            Há sempre alguém que espera,

                                                            um trabalho,

                                                            pão,

                                                            educação,

                                                            a dotação orçamental.

                                                            Há sempre alguém que espera

                                                            alguém,

                                                            amigo,

                                                            amante,

                                                            trabalhador/ empregador.

                                                            Há sempre alguém que, em silêncio, espera

                                                            tudo isto,

                                                            espera mais do que isto,

                                                            não espera menos do que isto,

                                                            de um país,

                                                            e, no fundo, espera ser mais do que número

                                                            cidadão,

                                                            contribuinte,

                                                            eleitor,

                                                            social,

                                                            mais do que déficit .

                                                            espera, espera, espera, na sala com outros que esperam e desesperam.

                                                            Há sempre alguém que,

                                                            em silêncio,

                                                            espera.

                                                            [ aos que esperam Portugal renascido].

https://www.youtube.com/watch?v=SHnK6pFm8Fs&hd=1 Pop Dell'arte, 2010 ( todos os direitos reservados aos Pop Dell'arte)

@mmalheiro

                                                            

publicado por marina malheiro às 02:23 link do post
17 de Setembro de 2015

4e8cf0c72c9fb7f22347a7bff0475953.jpg

                                              via Pinterest

                                        em memória de M.Fernandes, o primo que oferecia poemas aos outros, deixo um poema do Mestre Ramos Rosa.

       "O astro"

Ouve a longa incoerência da palavra e a memória

do sangue que se apaga. Ouve a terra taciturna.

Tudo é fugitivo e a sombras não acolhem. nenhum jardim

de segredos. Nenhuma pátria entre as ervas e a areia.

Onde é que nasce a sombra e a claridade?

 

Eis as vertentes da terra árida e seca. Quem

reconhece o equilíbrio das evidências serenas?

Estas palavras têm o odor de portas enterradas.

Como dominar a desmesura da ausência e a vertigem?

Como reunir o obscuro em palavras evidentes?

 

Escuta, escuta a longa incoerência da terra

e da palavra. Ao longo da distância

murmura a perfeição monótona de um mar.

Num pudor de esquecimento um astro se aveluda

em denso azul na corola do silêncio.

António Ramos Rosa

@mmalheiro

aos meus pais

                                              

                                               

publicado por marina malheiro às 23:50 link do post
15 de Setembro de 2015

 

Jeff Buckley & Elizabeth Fraser - All Flowers In Time Bend Towards The Sun

às vezes não há muitas palavras. talvez estas ,dedicadas a saudosos amigos, que, em 15 setembro de 2012, caminharam pela avenida da república fora num dia magnífico para milhares de cidadãos:

" (...) Tinha três cadeiras em minha casa: uma para a solidão, duas para a amizade e três para reuniões. (...) É surpreendente a quantidade de grandes homens e mulheres que pode conter uma pequena casa."

Thoreau, in Walden ( p.160)

@mmalheiro

 

publicado por marina malheiro às 19:39 link do post
05 de Setembro de 2015

                                                               

e4b7aca3eb6e219ff1d172ab53246971.jpg

                          Dolce & Gabbana Fall 2015 RTW via Pinterest

                           https://www.youtube.com/watch?v=8tqmBoSuQ4Q&hd=1

                          a estrutura desabou, apanhou o pó do caminho e levantou-se em força.

                          nas mãos ,agora,o fruir dos dias e a ternura toda. 

                          @mmalheiro

publicado por marina malheiro às 04:02 link do post
03 de Agosto de 2015

2fda0c3e4e124c4c50d7908f5d9c5319.jpg

Foto in thechive.com

https://www.youtube.com/watch?v=yXhbA9wYVs0 Neil Young, One of these days ( all rights reserved)

o tempo tudo apazigua , felizmente.

@marinamalheiro

 

publicado por marina malheiro às 22:21 link do post
03 de Fevereiro de 2015

4c7738d6fcc07ce7bdd38bf589b6cdb8.jpg

Bolshoi Ballet School, 1964 ( via Pinterest)

https://www.youtube.com/watch?v=E5K0aPGw9Rk Beck

sejam os laços eternos, os dos amigos

@marinamalheiro

publicado por marina malheiro às 18:59 link do post
09 de Janeiro de 2015

potw1452a.jpg

"This image captures the stunning NGC 6535, a globular cluster 22,000 light-years away in the constellation of Serpens (The Serpent) that measures one light-year across."European Space Agency
CREDIT: ESA/Hubble & NASA, Acknowledgement: Gilles Chapdelaine   

"As pessoas têm estrelas que não são as mesmas. Para uns, que viajam, as estrelas são guias. Para outros, elas não passam d pequenas luzes. Para outros, os sábios, são problemas. Para o meu negociante, eram ouro. Mas todas essas estrelas se calam. Tu porém, terás estrelas como ninguém... Quero dizer: quando olhares o céu de noite, (porque habitarei uma delas e estarei rindo), então será como se todas as estrelas te rissem! E tu terás estrelas que sabem sorrir! Assim, tu te sentirás contente por me teres conhecido. Tu serás sempre meu amigo (basta olhar para o céu e estarei lá). Terás vontade de rir comigo. E abrirá, às vezes, a janela à toa, por gosto... e teus amigos ficarão espantados de ouvir-te rir olhando o céu. Sim, as estrelas, elas sempre me fazem rir!"

Saint- Exupéry

 

@marinamalheiro.

 

publicado por marina malheiro às 19:06 link do post
Novembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
subscrever feeds
Mensagens
Tracker
sitemeter
Sitemeter
Wook
Wook
Pensa num Número - www.wook.pt
Facebook
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
Ainda estou em choque com tamanha tragédia!Os rela...
Melhor que a música, a companhia...
Obrigada pelo teu comentário. Para quem gosta de c...
Pois... não é por snobismo que moro onde moro,é me...
Caro ZT,obrigada pela referência. :)Saudações jazz...
Lembra Black Moth Super Rainbow.Inebriante.
Feel free to blush
Ai que ruborizo :)
Adorei caro Fio de Beque. Obrigada pela partilha. ...
Era esta :D https://youtu.be/XviMAXKvewM
blogs SAPO