http://jazzistica.blogs.sapo.pt
Blog de poesia , música e olhares de Marina Malheiro, aprendiz de poesia
31 de Janeiro de 2014

 

 

                                                                    GIF A partir de estudo Motion ( valsa) de Muybridge via Pinterest ( www.rachel-tw.com...)

 

 

 

 

 

Stendhal escreveu em 1822 aquilo a chamou um "ensaio de ideologia" sobre o Amor.

Analisou as várias fases do Amor, em vários países, mas, sobretudo, nas várias cadências do sentimento que é amar alguém. Já escreveram teses de Filosofia sobre o Amor,  cientistas já analisaram a química que liga duas pessoas aparentemente tão diferentes como a chuva e o sol, talvez. Cada um vive as "cristalizações" de Stendhal à sua maneira. Um tratado para ler e reler sempre - Do Amor, Stendhal.

 

" (...) Basta uma pequena réstia de esperança para provocar o nascimento do amor. A esperança pode faltar a seguir, passados dois ou três dias, mas nem por isso o amor deixou de nascer.

Com um caráter decidido, temerário, impetuoso e com uma imaginação desenvolvida pelas agruras da vida, o grau de esperança pode tornar-se mais pequeno, pode mesmo acabar mais cedo, sem matar o amor. "

 

in Do Amor, Relógio D'Água, Novembro 2009, p. 20 [DA ESPERANÇA]

 

@marinamalheiro

 

publicado por marina malheiro às 10:21 link do post
29 de Janeiro de 2014

 

 

                                                                                       GIF/ FOTO Dancing a Waltz (c. 1883-1886) - Eadweard Muybridge, photographer.

 

                                                                           

Goshen, Beirut ao vivo
"A vitalidade não se revela apenas na capacidade de persistir, mas também na de começar tudo de novo."
F. Scott Fitzgerald
@marinamalheiro
publicado por marina malheiro às 23:27 link do post
28 de Janeiro de 2014

 

 

 

 

                                                                          art du papier - noriko ambe - paper

 

                                                                           

                                                                         as palavras desenhavam-se no papel como se  fossem mar revolto 

                                                                         depois eram mar, papel,música

                                                                         nas mãos vazias. 

                                         

                               

                                                                         enchiam-se de azul silente

                                                                         verde água, e de esperanças

                                                                         depois eram corpo, texto, matéria de facto

                                                                         

                                                                         mãos cheias de dias

                                                                         em permanente transcorrência,as de muitos.

 

                                                                         @marinamalheiro

 

                                                                         

                                                                         

                                                                         

 

                                                                        

 

 

publicado por marina malheiro às 23:56 link do post
27 de Janeiro de 2014




Shannon Van Etten, All I can

"A saudade não está na distância das coisas, mas numa súbita fractura de nós, num quebrar de alma em que todas as coisas se afundam."


V.Ferreira


@marinamalheiro

 
publicado por marina malheiro às 23:34 link do post
26 de Janeiro de 2014

 

 

                                                     1ª cena ( foto) do filme Manhatan ( Woody Allen)

 

                                                    Escute aqui uma compilação de todas as músicas de  Jazz e Blues nos filmes de Woody Allen 

"Mais do que em qualquer outra época, a humanidade está numa encruzilhada. Um caminho leva ao desespero absoluto. O outro, à total extinção. Vamos rezar para que tenhamos a sabedoria de saber escolher."

Woody Allen

 

@marinamalheiro

                                                    

publicado por marina malheiro às 19:39 link do post
25 de Janeiro de 2014

 

 

                                                                  the bicyclers, thomas hart benton via Pinterest

 

                                                              O Projeto Gutenberg tem vindo a realizar um trabalho fantástico na divulgação de obras de autores mundiais através da sua digitalização e revisão prévia ( feita por uma equipa de revisores voluntários). Estas obras podem ser lidas em diversos formatos possibilitando, deste modo, o acesso à cultura, a todos os cidadãos, quer se desloquem a uma biblioteca pública ou descarreguem gratuitamente todas estas obras para o computador ou para um simples telemóvel, por exemplo.

                                                              Deixo aqui o link para a leitura gratuita de um clássico da literatura mundial , Vermelho e Negro de

 

                                                              Stendhal.

 

                                                              @marinamalheiro

                                                              

Faixa 3 da magnífica Sinfonia Shankar conduzida por André Previn
( trisado neste Blog)

 

                                                             

                                                             

                                                             

publicado por marina malheiro às 19:01 link do post
24 de Janeiro de 2014



Sigur Rós, Concerto completo ( o9/2013) todos os direitos reservados aos Sigur Rós


há , por vezes, a sensação, de haver dias de individualismo exacerbado nos outros, de uma espécie de insensibilidade permanente face aos  que têm problemas de vária ordem num momento de grave crise económica. se não nos tocam os problemas dos outros, dos amigos, dos familiares, passamos ao lado, à margem das suas vidas? não fomos educados ou temos em nós o gene do não egoísmo e da solidariedade, da amizade , para com o próximo?

Peter Singer em Como havemos de viver? a ética numa época de individualismo (2006/Dinalivro, 1ª edição) afirma "falta à maioria das pessoas um sentimento geral de benevolência pelos estranhos com que se cruzam na rua (...) Os seres humanos são muitas vezes egoístas, mas a nossa biologia não nos obriga a ser assim."


 


@marinamalheiro
publicado por marina malheiro às 18:28 link do post
22 de Janeiro de 2014

 

 

 

                                                         via Vintage Library Card Catalogs/ West Melbourne Public Library 

 

                                                          Desde que a Web.2 começou a invadir as nossas vidas deixámos de procurar tanto as bibliotecas, de sentir os livros procurados como nossos naquele momento ou os jornais antigos ou revistas como despojos essenciais à nossa cultura, à nossa história, à nossa existência.

Passou tudo a estar ao alcance de uma mão cheia através do telemóvel ou do tablet. Se, por um lado, os grandes arquivos mundiais passaram a ser permanentemente digitalizados e revistos como é o caso do Projeto Gutemberg, por outro lado, o conhecimento passou a estar a saldo, fragmentado em milhares de páginas na Internet, acessível sim, mas a saldo.

Excessivamente acessível por meio de conteúdos diversos, organizados para atingir determinados públicos-alvo.

A acessibilidade não significa necessariamente qualidade e reflexão sobre o que é lido, sobre o que é dado a ver, a " consumir digitalmente" na voracidade dos dias.

O mesmo se aplica à fotografia.

Susan Sontag em Ensaios sobre a Fotografia (Quetzal) escreveu "A necessidade de comprovar a realidade e de engrandecer a experiência através das fotografias é uma forma de consumismo estético a que nos entregamos. (...) Não seria errado falar de pessoas com uma compulsão para fotografar, transformando a própria experiência numa forma de visão."

Mas se ,neste momento, há compulsão para fotografar tudo, em claro excesso, há também uma compulsão para a excessiva partilha digital, no momento, ao minuto, ao centésimo de segundo, da vida pública e privada. 

A fotografia, é ,nesta perspetiva, um conhecimento de saldo, a saldo, para ser consumida e não para ser apenas fruída, como uma boa photomaton ou uma revelação à antiga em câmara escura.

Às vezes mais vale apenas, uma, uma fotografia única, mas reveladora de tudo aquilo que é verdadeiramente importante no momento.

 

 

 

@marinamalheiro

 

 

 

 

publicado por marina malheiro às 23:27 link do post
21 de Janeiro de 2014



Cat Power, Living Proof


"É espantosa a tendência do português para a promiscuidade! Chega a umas termas, senta-se, volta-se para o vizinho da direita e, sem dizer água-vai, conta-lhe a vida."


Miguel Torga


@marinamalheiro
publicado por marina malheiro às 23:40 link do post
19 de Janeiro de 2014

 

 houve um dia para pensar, no meio dos dias frenéticos.

afinal, uns procuravam  o amor, outros um simples abraço, uns o  sexo,  outros a solidão acompanhada e instituída, uns a pura solidão, outros a vida com os filhos,uns a pista certa e a música perfeita,  e outros uma velhice sem dores e tranquila,etc. muitas variáveis matemáticas numa procura, afinal, única.

 na velocidade em frenesim de uns, e no abrandamento e auto-limitação dos outros, havia algo em comum, o sentir-se vivo, nem que fosse num milésimo de felicidade. 

no entanto, os do frenesim ganhavam pontos no jogo da vida. não desistiam. todos os dias davam mais um "ponto" nos dias remendados e avançavam.                                                    @marinamalheiro

 

After the Gold Rush, Neil Young

 

publicado por marina malheiro às 22:09 link do post
Janeiro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
13
15
18
20
23
30
subscrever feeds
Mensagens
Tracker
Posts mais comentados
12 comentários
4 comentários
2 comentários
2 comentários
2 comentários
2 comentários
sitemeter
Sitemeter
Wook
Wook
Pensa num Número - www.wook.pt
Facebook
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
Ainda estou em choque com tamanha tragédia!Os rela...
Melhor que a música, a companhia...
Obrigada pelo teu comentário. Para quem gosta de c...
Pois... não é por snobismo que moro onde moro,é me...
Caro ZT,obrigada pela referência. :)Saudações jazz...
Lembra Black Moth Super Rainbow.Inebriante.
Feel free to blush
Ai que ruborizo :)
Adorei caro Fio de Beque. Obrigada pela partilha. ...
Era esta :D https://youtu.be/XviMAXKvewM
blogs SAPO